PERIGO: Sua ONG depende de doações de uma única fonte?
Marketing para o Terceiro Setor, Ong ÜP, ÜP

PERIGO: Sua ONG depende de doações de uma única fonte?

Doadores que apoiam com grande quantias em dinheiro, como empresas, ou o Governo, são o sonho de qualquer Organização do Terceiro Setor. Mas isso é seguro? Confira nessa matéria os riscos de se ter poucos doadores mantendo sua Organização Social e entenda como doações recorrentes de pessoas físicas podem salvar sua OSC.

Conheça o ÜP, uma plataforma de gestão completa para sua Organização Social alcançar mais doações e apoiadores.

Sempre que uma Organização Social consegue captar um grande doador, passa-se a ter um sentimento de dever cumprido e a certeza de que os problemas acabaram (ou diminuíram muito).
É claro, uma fonte de doações dessas pode significar fôlego financeiro, fluxo de caixa previsível e investimentos sociais garantidos.

Conseguir o apoio de um grande doador, como uma empresa de grande porte, é sim motivo de comemoração!

Entretanto, é necessário nos mantermos sempre alertas. Tendo em vista que essa fonte de recursos única, embora importantíssima, pode passar uma sensação falsa de segurança.

Pense bem: se sua Organização Social depende de doações de uma única empresa, significa que o funcionamento de sua ONG está, igualmente, dependendo do bom funcionamento desta empresa. Se, por algum motivo imprevisível, a empresa sofre queda nos negócios (lembre-se dos perigos da crise que vivemos), sua ONG terá grandes chances de sofrer também.

Além disso, caso a empresa doadora deseje mudar a metodologia de trabalho, ou, até mesmo passar a doar para outra Organização Social, a sua ONG pode, de repente, encontrar-se sem fontes de receita suficientes para manter-se funcionando.

Ou seja, se a receita vem de poucas fontes, devemos ficar sempre atentos, e procurar soluções para diversificar e aumentar esse número de fontes de receita.

Sim! Liga-se o sinal vermelho!

Especialistas dizem que o sinal de alerta deve surgir quando poucos doadores tornam-se responsáveis por 20% da totalidade de suas doações.

Mas, é importante dizer: você e sua própria OSC devem determinar quanto é demais para vocês.

Até porque, talvez hoje já seja demais.

É claro, não estamos falando para recusar essas grandes doações. Seria uma tolice recusá-las. Afinal, temos que sempre buscar bons negócios!

Contudo, é importante dizer, a atitude correta é gerenciar o risco, mantendo-se o grande doador fidelizado e, em geral, usar os recursos para tornar, com o tempo, sua ONG mais segura financeiramente.

Mesmo que seja necessário uma mudança na cultura da ONG, é extremamente importante criar ações para conseguir várias fontes de doação, aumentando a sustentabilidade financeira da sua Organização e, consequentemente, diminuir os riscos inerentes à falta de diversidade de fontes de doações.

Tecnologia e inovação são grandes aliados neste momento, já que possibilitam, na maioria dos casos, que sua ONG torne os processos atuais mais eficientes (fazer a mesma coisa de uma forma melhor), ofereça novas soluções para doadores e explore novos mercados.

Você sabe: a tecnologia revolucionou (e revolucionará ainda mais) todo o planeta.

As redes sociais, os meios de pagamento, as ferramentas de dados, os meios de marketing e comunicação…enfim, tudo foi revolucionado.

Portanto, se sua organização social ainda não acompanha o desenvolvimento tecnológico do mundo, as chances dela ficar pelo caminho são grandes.

E, pior, se ela não acompanha o desenvolvimento tecnológico, e ainda depende de uma única (ou poucas) fonte(s) de renda, os riscos são ainda mais altos.

E como diversificar as fontes de doação?

Simples.

Conheça o ÜP, uma plataforma de gestão completa para sua Organização Social alcançar mais doações e apoiadores.

Receba doações recorrentes de pessoas físicas!

Doadores recorrentes são aqueles que mais geram resultados para Organizações do Terceiro Setor em todo o mundo. E isso tem um motivo claro: doações recorrentes de pessoas físicas dão ótimos resultados com o menor risco.

Menor risco? Sim! Explico.

Imagine dois cenários:

Cenário 1:

Sua ONG possui 200 pessoas que doam recorrentemente R$50,00 por mês, cada um. O que totaliza R$10.000,00 em doações por mês.

Em um determinado momento, 10 doadores decidem cancelar as doações recorrentes. Ou seja, perdemos nesse cenário, 10 doadores e R$500,00 de nossa arrecadação total.

Portanto, R$9.500,00, ou 95% de nossas doações recorrentes serão preservadas, mesmo perdendo 10 doadores.

 

Cenário 2:

Sua ONG possui 2 empresas, que doam R$5.000,00 por mês cada uma, o que também totaliza R$10.000,00.

Em um determinado momento, apenas uma (veja bem, apenas uma!) das empresas decide por cancelar suas doações recorrentes.

Portanto, R$5.000,00, ou 50% de nossas doações recorrentes serão PERDIDAS.

Teremos, portanto, a subtração de metade de nossa arrecadação total, mesmo perdendo apenas 1 doador.

Conclusão:

Doações-Recorrentes

No cenário 1, perdemos diversos doadores e, mesmo assim, nossa arrecadação total ficou segura. Ou seja, o risco de perdemos grande parte de nossas arrecadações é mínimo e mitigado na quantidade alta de doadores diversos.

No cenário 2, perdemos apenas um doador e nossa arrecadação total foi totalmente dilacerada. Ou seja, esse cenário é frágil e arriscado, com um risco infinitamente superior, podendo ensejar, inclusive, na falência da Organização Social.

Quando buscamos uma grande quantidade de doadores temos uma maior segurança com a mesma possibilidade de arrecadação. Caminhe ao lado de poucas pessoas e chegue mais rápido. Caminhe ao lado de várias pessoas, e chegue mais longe.

Essa frase é famosa. Mas, normalmente, o Terceiro Setor, que deveria sempre pensar em chegar mais longe, ainda pensa em chegar mais rápido. E, infelizmente, o caminho mais rápido também é muito arriscado e, também, não é sustentável financeiramente.

A maioria das Organizações Sociais que vi fecharem as portas na minha caminhada, foram aquelas que não se atentaram para os riscos de se manter poucos doadores.

Sem dúvidas, o caminho mais sustentável e mais confiável é a busca por pessoas físicas que doam mensalmente.

Lembre-se: sua Organização Social não pode “morrer na praia”, existem muitas vidas que dependem de seu trabalho.

Se almejamos uma Organização Social sustentável financeiramente, que gere impactos positivos de longo prazo e que deixe um legado no mundo, temos que pensar em diminuir os riscos, evitando-se que fiquemos no meio do caminho por falta de recursos financeiros.

As vezes tomamos decisões pela crença de que a quantidade de esforço exigido para cada uma das estratégias é maior ou menor. Mas, o correto é tomarmos decisões com a certeza de que queremos chegar mais longe.

Quer ser auxiliado na Captação de Recursos recorrentes através de pessoas físicas? Conheça o ÜP!


Falar com um consultor

PERIGO: Sua ONG depende de doações de uma única fonte?
5 (100%) 2 votos
Post Anterior Próximo Post

Você também vai gostar

Nenhum Comentário

Deixar Comentário